sábado, 18 de abril de 2015

O PLANO DE DEUS PARA A SALVAÇÃO DO HOMEM




Mesmo tendo Deus expulsado o homem do jardim do
Éden para que ele não comesse da árvore da vida e ficasse
imortalizado no corpo do pecado, contudo, não retirou o Seu
grande amor de sobre o homem. Porém, Deus, sentindo muito
com a queda espiritual do homem, e por não Se conformar
em perdê-lo de Seu convívio espiritual, criou então um plano
de salvação para que o homem se reintegrasse ao Seu Reino
(se religasse com Ele); por isto o processo de salvação é
chamado de RELIGIÃO; no latim, RELIGARE, que significa
ligar novamente com Deus.

Esta religação viria através de um conjunto de
mandamentos, chamado de: Lei dos mandamentos; que
compreende os Dez Mandamentos, compostos de Estatutos e
Juízos, que completam a Lei de Deus. Inclusive, por ser dado
por intermédio de Moisés, também é chamado de: Lei de
Moisés.

Os mandamentos da Lei eram cumpridos pela força da
carne, isto é, pela capacidade humana; por isso são
considerados mandamentos carnais; era a religião de baixo
para cima. Significava o homem se resgatando diante de
Deus pela sua própria justiça. Este conjunto de mandamentos
Deus havia preparado para que, mediante o seu cumprimento,
o homem fosse redimido da sua transgressão, ou seja, pagasse
a sua dívida para com Deus, e assim retomasse a posse do
Reino dos Céus. O pagamento do preço da transgressão dava-se
pelo cumprimento da Lei; era o preço do resgate humano,
conforme a determinação de Deus, que disse: “E dei-lhe os
meus estatutos e os meus juízos, pelos quais cumprindo-os o
homem, viverá por eles” (Lv 18.5;Ez 20.11;Rm 10.5).

Mas para isso, o homem precisava de muita justiça e
perfeição, as quais não se encontravam nele. As
características do homem já apontavam para o seu fracasso
diante das exigências da Lei. As cobranças que a Lei fazia,
exigiam um ser perfeito para cumpri-las (Só Jesus Cristo);
pois a Lei, por ter vindo de Deus, é boa, justa e santa (Rm
7.12); enquanto o homem, maculado pela sua transgressão,
não passava de um pecador fracassado, incapaz, e caído da
Graça de Deus; melhor dizendo, a Lei é espiritual, mas o
homem é apenas carnal, vendido sob o pecado (Rm 7.14).
A PROMULGAÇÃO DA LEI
Chegado o tempo da promulgação da lei, Deus, por
intermédio de Moisés, tirou o Seu povo do Egito e o reuniu
ao pé do Monte Horebe, no Sinai, para ali lhe ordenar os
Mandamentos da Lei, Seus estatutos e os Seus juízos, cujo
cumprimento culminaria na salvação do povo. Segundo o
registro do livro de Êxodo, Deus manifestou-se naquele lugar
com grande poder e realizações de maravilhas; porque a
presença de Deus se revelava em trovões, relâmpagos, sonido
de buzina, fumigação e tremor do monte; pois Deus havia
descido em fogo naquele lugar. Moisés falava, e Deus, do
meio de uma nuvem espessa, respondia em alta voz. Então,
naquele momento, o povo temeu a presença estrondosa de
Deus, por não resistir os efeitos do Seu poder naquele lugar.
A Bíblia diz que até Moisés ficou assombrado com a
operação de Deus no Monte. Tudo isto porque os céus
estavam em festa por estar sendo promulgada, naquele
momento, a Aliança de Deus com o povo, ou seja, a Lei cujo
cumprimento resultaria na salvação do povo, para consolidar
assim a sua reintegração ao convívio de Deus.

Diante de tanto poder, de tantas maravilhas por causa
da presença estrondosa de Deus naquele lugar, o povo ficou
muito assustado e pediu a Moisés para que Deus não
continuasse falando diretamente com eles, mas que Moisés
transmitisse as palavras do Senhor, para que eles não
morressem, conforme está escrito: “E o povo, vendo isso
retirou-se e pôs-se de longe. E disseram a Moisés: Fala tu
conosco, e ouviremos: e não fale Deus conosco, para que
não morramos” (Ex 20.18-19).

Então Deus, respondendo as palavras de temor do
povo, e sabendo que o homem não tinha capacidade para
cumprir a Lei da justiça dada para a sua salvação, mas tendo
já planejado enviar Jesus Cristo para cumpri-la em seu lugar,
disse a Moisés: “Bem falaram naquilo que disseram, Eis lhes
suscitarei um profeta do meio de seus irmãos, como tu, e
porei as minhas palavras na sua boca, e ele lhes falará tudo
o que eu lhe ordenar. E será que qualquer que não ouvir as
minhas palavras, que ele falar em meu nome, eu o requererei
dele” (Dt 18.17-19). Veja também: At 3.22.

O próprio Jesus, ao manifestar-se ao mundo para
realizar a obra de Redenção, declarou ter vindo para cumprir
a Lei dada para a salvação do povo, dizendo: Não cuideis que
vim destruir a lei ou os profetas: não vim anular, mas
cumprir” (Mt 5.17).

Porém, diante deste esclarecimento, vem à tona a
seguinte pergunta: “Se Deus sabia que o homem era incapaz
de cumprir a Lei, por que então à colocou sobre os seus
ombros? Não poderia ter Deus poupado o povo desse tão
grande sofrimento e dessa tão grande decepção, e passado a
responsabilidade do cumprimento da Lei diretamente à Jesus
Cristo?”

E a resposta corretamente dada é: Deus não passou a
responsabilidade do cumprimento da Lei diretamente a Jesus,
porque quem mais precisava saber que o homem não tinha
capacidade para cumprir a Lei, era o próprio homem. Porque
o homem com o seu espírito exaltado, jamais admitiria não
ter capacidade para cumprir a Lei, se Deus não a colocasse
sobre os seus ombros. O homem só perceberia a sua
incapacidade, isto é, o seu estado de miséria, a sua pobreza de
justiça, e a sua necessidade de aceitar a Cristo como
Salvador, sentindo nos seus próprios ombros o peso
irresistível dos Mandamentos da Lei, e assim, então, se
humilhasse diante de Deus e aceitasse a salvação pela Graça
de Cristo, conforme está escrito: “Porque a Lei nos serviu de
aio para nos conduzir a Cristo” (Gl 3.24).

O povo teve que primeiro passar por um processo de
reconhecimento da sua incapacidade, pagando o preço da
tentativa fracassada de cumprir a Lei da Justiça, para poder
compreender o plano de salvação pela Graça, isto é, o porquê
Jesus teve que substituir o homem no cumprimento da Lei.

Nem ainda na época de Jesus todos admitiam a sua
incapacidade no que se refere ao cumprimento da Lei, para se
humilharem diante de Deus e aceitarem a Cristo como
Salvador. Era o caso de muitos dos fariseus que se
apresentavam como que salvos pela guarda da Lei;
confiavam na sua própria justiça e capacidade; então foi
quando Jesus disse: todo aquele que se humilhar será
exaltado e todo aquele que se exaltar será humilhado. Jesus
estava dizendo o seguinte: Aquele que se exaltar, achando
que tem capacidade de oferecer a Deus o fruto da sua justiça
em troca da sua salvação, como a guarda de sábado, sacrifício
de jejum, circuncisão, cumprimento de percentual de
contribuição (o dízimo), etc., esse será humilhado; mas,
aquele que se humilhar reconhecendo o seu estado de
miséria, isto é, sabendo que não tem capacidade suficiente
para guardar a Lei, considerando a sua justiça como lixo, mas
que busca alcançar a vida eterna apenas pela Graça de Cristo,
esse será exaltado por Deus. Porque muitos ainda traziam
consigo a confiança na carne, isso é, na sua própria guarda da
Lei.

O moço rico, quando Jesus perguntou se ele conhecia
os mandamentos, ele, porém, com o seu espírito exaltado,
confiando na sua própria capacidade, e achando que era
guardador da lei, logo respondeu: “tudo isso tenho guardado
desde a minha mocidade!” (Mc 10.19-20).

Na parábola do fariseu e do publicano, Jesus disse que
o fariseu, que confiava em si mesmo, dizia: “Ó Deus, graças
te dou porque não sou como os demais homens, roubadores,
injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo
duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto
possuo”.

Porém, o publicano, por reconhecer o seu estado de
miséria diante de Deus, não apresentou nenhuma realização
de obras, mas apenas a confiança na misericórdia de Deus,
dizendo: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!”

E Jesus disse que este desceu justificado para sua
casa, e não o fariseu. Então, foi quando declarou: “porque
qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e
qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado”
 (Lc 18. 9-14).
Infelizmente ainda existem muitos crentes a exemplo
desse fariseu, se gloriando em realização de obras, e dizendo
que são salvos porque não são iguais aos outros que não
guardam o sábado, que não dão dízimos, que não usam o véu,
que não jejuam, etc. Porém, isso, no cristianismo, é uma
atitude de extrema ignorância espiritual.

Hoje, depois de ouvirmos tanto do Evangelho de
Cristo, de lermos nas Escrituras que Cristo veio fazer
exatamente a obra que não temos capacidade de fazermos, de
adquirirmos tanta experiência sobre as misérias humanas, e
de ouvirmos tanto do Espírito Santo que a nossa própria
justiça é considerada como lixo diante de Deus, ainda
existem muitos pensando que têm capacidade para cumprir a
Lei, ou seja, de oferecer a Deus “o fruto da sua justiça” no
que tange a guarda do sábado, no sacrifício de jejum, no uso
do véu, na circuncisão, na prática do dízimo, e outras
penitências semelhantes.

É exatamente por meio desses pensamentos inúteis, e
dessas vanglórias na nossa própria justiça, que temos uma
reputação exaltada aos olhos de Deus. O apóstolo Paulo, para
fugir de tal vanglória, disse: “longe esteja de mim, gloriar-me,
a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo”
 (Gl 6.14). Porque Paulo sabia que não tinha condição de praticar
a “Lei da justiça”, mas sim de obter a “justiça da Lei” pela
Graça de Cristo, que já havia cumprido a Lei por ele.

Segundo o apóstolo Paulo, aquele que busca a
“justiça da Lei” apenas por meio da fé, alcança a salvação
pela Graça de Cristo. Mas aquele que busca a “Lei da
justiça”, isto é, pela prática das obras da Lei, tropeça em
Cristo, conforme a sua expressão na Epístola aos
 Romanos, 9.30-33:
Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam
a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça
que é pela fé. Mas Israel, que buscava a “lei da
justiça”, não chegou à “lei da justiça”. Por quê?
Porque não foi pela fé, mas como que pelas obras da
lei; tropeçaram na pedra de tropeço; como está
escrito: Eis que eu ponho em Sião uma pedra de
tropeço, e uma rocha de escândalo; e todo aquele que
crer nela não será confundido.

O que significa tropeçar na Pedra? No texto acima,
Paulo se refere ao que vaticinara o profeta Isaías, quando
disse: “Então ele vos será por santuário; mas servirá de
pedra de tropeço, e rocha de escândalo, às duas casas de
Israel; por armadilha e laço aos moradores de Jerusalém. E
muitos entre eles tropeçarão, e cairão, e serão quebrantados,
e enlaçados, e presos” (Is 8.14-16).

Isto significa, que, aquele que persistir na prática de
obras legalistas como imprescindíveis no processo da
salvação, está separado da Graça de Cristo, e ficará preso
pelo jugo das obras da Lei, ou seja, ficará debaixo do jugo do
dízimo, da guarda do sábado, do uso de véu, do jejum, da
abstinência de manjares, da proibição exacerbada de usos e
costumes, etc., as quais obras separam o homem da Graça de
Cristo; conforme lemos também em Gálatas, 5.4: “Separados
estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça
tendes caído”.
Isso nos deixa claro, que, querer se santificar com
obras legalistas (obras oferecidas a Deus), é sem dúvida
tropeçar na Pedra.

Na antiga Aliança, quem não praticava as obras da
Lei, tropeçava na Lei; ao contrário da Nova Aliança, que, por
Jesus ter cumprido a Lei por nós, agora, quem tenta guardá-la
novamente, tropeça em Cristo.

Porque cada Aliança tem seus próprios Mandamentos;
e tanto o Velho Testamento, como o Novo, traz o preço da
transgressão de seus devidos Mandamentos. Cada aliança que
Deus faz com o homem, determina o preço da transgressão.

Na dispensação da Lei, quem não praticava as obras
da lei, tropeçava na Lei, conforme está escrito: “Mas vós vos
desviastes do caminho; a muitos fizestes tropeçar na lei;
corrompestes a aliança de Levi, diz o Senhor dos Exércitos”
(Ml 2.8). Ao contrário da dispensação da Graça, que, pelo
fato de Jesus ter cumprido a Lei por nós, agora, quem tenta
cumpri-la novamente, isto é, querendo guardar o sábado, se
circuncidar, jejuar, cumprir percentual de contribuição, etc.,
que são obras realizadas em oferecimento a Deus, com
certeza tropeça em Jesus Cristo, que é o único intermediário
entre Deus e o homem, sem deixar espaço para obras da
nossa carne. O cristão triunfa em Cristo, exatamente por
! receber dEle a justiça do cumprimento da Lei, sem a prática
dela. É o que se chama de “Salvação pela Graça”.

Porque, se não quisermos buscar a “JUSTIÇA DA
LEI” pela Graça de Cristo (a qual se alcança apenas pela fé
no Seu nome), mas preferirmos buscar a “LEI DA JUSTIÇA”
pela prática das obras da lei (a qual se tenta alcançar pela
própria capacidade), não estamos confiando que Cristo já as
cumpriu por nós e nos oferece a justiça dessas obras apenas
pela Sua maravilhosa Graça.

Jesus nos oferece a justiça da Lei pela Sua Graça,
exatamente por não ter encontrado em nós a devida
capacidade para cumprirmos a Lei da justiça. Por isso, agora,
quem tenta praticar as obras da lei, tropeça na pedra de
tropeço que é Jesus Cristo; pois tal prática faz agravo ao
Espírito da Graça; e isto pode custar muito caro para o tal. O
castiga da transgressão na dispensação da Graça, segundo o
escritor aos hebreus, é maior que o castigo da transgressão na
dispensação da lei; pois veja o que ele diz sobre o julgamento
de quem comete tal erro, ou seja, de quem faz agravo ao
Espírito da Graça:

Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem
misericórdia só pela palavra de duas ou três
testemunhas, de quanto maior castigo cuidais vós
será julgado merecedor aquele que pisar o Filho
de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança
com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito
da graça? (Hb 10.28-29).


Paz seja com todos
JC de Araújo Jorge

domingo, 5 de abril de 2015

O PROCESSO DE SALVAÇÃO PARA A HUMANIDADE




INTRODUÇÃO

“O Processo de Salvação”
 é uma série de mensagens que veio
revelar ao mundo todas as verdades da salvação pela Graça
que há em Cristo Jesus, em razão de não haver consenso
entre a maioria das igrejas sobre a verdadeira doutrina do
Evangelho.

As diferenças doutrinárias entre as instituições
evangélicas são enormes. Por isto, Deus, que quer que
vivamos num só espírito, numa só doutrina e numa só fé,
aprouve conceder-me o ministério de esclarecimento do
Evangelho, me abrindo a ciência da salvação, para que seja
esclarecida de uma vez por todas a genuinidade do
Evangelho, a fim de que o povo cristão viva totalmente na
Graça de Cristo, e assim realize a vontade de Deus andando
num só espírito, numa só doutrina e numa só fé, sem o peso
das obras de mandamentos carnais, tais como: guarda de
sábado, abstinência de manjares, pagamento de dízimo,
circuncisão, sacrifício de jejum, imposição exacerbada de
usos e costumes, etc.

O apóstolo Paulo, comentando sobre obras desta
natureza, diz que as tais, na verdade, têm alguma aparência
de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em
disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a
satisfação da carne (Cl. 2.23).
Esta obra, inclusive, foi revelada para esclarecer tudo
sobre o processo de salvação pela Lei de mandamentos
carnais e principalmente sobre o processo de salvação pela
Graça de Cristo. As verdades do Evangelho desvendadas
neste livro, as quais vinham sendo omitidas pela maioria das
lideranças evangélicas, vão facilitar a todos a interpretação
das Sagradas Escrituras no que tange a salvação comum, e
mostrar, à luz da Bíblia, a verdadeira doutrina que o
cristianismo deve seguir. E assim, o cristão, pela renovação
do seu entendimento espiritual, possa se libertar dessa tão
grande confusão doutrinária que hoje se encontra na maioria
das igrejas, e passe a desfrutar da verdadeira glória da
salvação pela Graça que há em Cristo Jesus.

É muito fácil esclarecer com autenticidade todo o
plano de salvação de Deus, quando não se busca os próprios
interesses, ou seja, quando não se prega por conveniência,
mas por pura inspiração divina, visando apenas a conversão
das pessoas ao Evangelho de Cristo.

E eu, irmãos, não sou nenhum gênio literário, mas, é
justamente por estar isento de interesse próprio e por não
estar preso aos dogmas de nenhuma instituição religiosa, que
Deus tem me concedido o conhecimento do verdadeiro
Evangelho de Cristo, e toda a ciência da salvação, para passar
ao Seu povo, de forma clara e objetiva, a facilidade de acesso
à salvação comum que por Sua grande e infinita misericórdia
nos tem oferecido o Senhor, a fim de que haja uma reforma
na doutrina das igrejas contemporâneas; e então, o povo
cristão possa ser verdadeiramente liberto da opressão dessa
doutrina legalista que vem sendo pregada nos nossos dias, e
passe a vivenciar a verdadeira Graça de Cristo.

Porque eu posso afirmar, com toda certeza da
aprovação de Deus, que o caminho da salvação pela Graça
que há em Cristo Jesus, é muito mais fácil, muito mais
acessível, e muito mais glorioso, do que está sendo pregado
por muitas igrejas. Porque, aquele que realmente nasce da fé,
deve crer na facilidade de acesso à salvação pela Graça que
há em Cristo Jesus, conforme escreveu o apóstolo Paulo:

Esta é a palavra da fé, que pregamos, a saber: Se
com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em
teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os
mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê
para a justiça, e com a boca se faz confissão para a
salvação (Rom 10:8-10).

Minha oração é que Deus dê graça, paz e sabedoria a
todos, e que de bom grado recebam este ensinamento
espiritual, conferindo pelas Sagradas Escrituras, a veracidade
de tudo que por inspiração divina exponho nesta obra.

Devo ressaltar, que, o propósito de Deus com estas
mensagens, é levar o Seu povo à prática correta da fé,
em Cristo Jesus, Salvador e Protetor das nossas almas, ao
Qual seja a glória e o poder para todo o sempre. 
Amém.



SEQUÊNCIA DE MENSAGENS A SEREM POSTADAS:

- O Plano de Deus para Salvação do Homem

- A Santificação da Carne

- Quais são as Obras do Cristão?

- O Esclarecimento da Liberdade Cristã

- A Lei de Deus dada para a Salvação do povo mudou?

-O Cristão deve Jejuar?

- Sobre a Guarda do Sábado

- O Pecado da Homofobia

- Onde está a Arca da Aliança?

O Dízimo no Novo Testamento

- Como repreender o Devorador sem o Dízimo?

- Quem são os Ungidos de Deus no Cristianismo?

- A Obra Social da Igreja

- Conclusão


Paz seja com todos!

A TENTAÇÃO DE JESUS: No corpo - Na alma - No espírito



ENTENDENDO A TENTAÇÃO

Após ter sido batizado por João Batista no rio Jordão, Jesus cheio do Espírito Santo foi guiado pelo mesmo Espírito ao deserto para ser tentado, a fim de ser aprovado para Sua grande Missão de Salvador da humanidade decaída.


TENTAÇÃO NO CORPO
Necessidades biológicas: Fome, sede...

Durante quarenta dias no deserto, Jesus sendo tentado pelo Diabo nada comeu, porém ao completar o período de jejum, seu corpo humano teve fome. Momento propício para que o Diabo tentasse insinuar dúvida contra sua natureza divina.
Observando o diabo a debilidade do corpo de Jesus, o tentou com seguinte desafio:
Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.
Jesus, porém, respondeu: 
Está escrito:
 Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.


TENTAÇÃO NA ALMA  
Eu - Razão- Mente

O Diabo, constatando que Jesus vencera a primeira tentação com o uso da palavra,  o  levou  à  Cidade  Santa  (Jerusalém), colocou-o sob o pináculo do templo e lhe disse:  "Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem. E eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra".  
Observa-se como na primeira tentação, que o Diabo não mais fez uso de palavras provocativas e distorcidas. Agora ele cita trechos das Escrituras, que fora de seu contexto não passa de letra; precisando d'Aquele que a revele, o Espírito Santo !
O que é impossível ao diabo o entendimento das escrituras,  pois somente a letra lhe é possível conhecer, assim como aos teólogos ou qualquer intelectual incrédulo.
Jesus conhecendo toda a escritura e seu contexto, respondeu:
"Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus".


TENTAÇÃO NO ESPÍRITO 
Coração - Emoção - Bondade... 

Testificando que Jesus vencera a primeira e a segunda tentação, 
o Diabo planejou na terceira tentação
 "Um golpe de mestre"

"Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado me adorares".



OPINIÃO DO AUTOR
Creio sinceramente que Jesus não poderia ficar tentado por nenhum reino deste mundo, nem  tão pouco pelo glória deles; pois de onde viera junto do Pai, era infinitamente mais glorioso. Porém o astuto tentador apelou para a bondade, a misericórdia e o amor de Jesus,
para colocar seu 'plano diabólico em ação'.
Foi mostrado pelo Diabo com a permissão de Deus, todas as nações e seus governantes, assim como seus impérios: militares, políticos e econômicos, ou seja, o domínio deste mundo onde o príncipe é Satanás.


ATENÇÃO

O diálogo a seguir é apenas uma ficção e tem por objetivo
 trazer uma melhor compreensão da terceira tentação de Jesus no deserto, já que a real veracidade dos fatos, só poderemos saber quando  estivermos face a face com o Mestre


O SUPOSTO DIÁLOGO ENTRE SATANÁS E JESUS
"Eu Satanás, que tenho livre acesso nas mentes e  nos corações dos homens que governam nações e também dos que tem o poder econômico, faço com que os mesmos criem: Guerras - Miséria - Fome - Violência - Injustiça - Ganância - Corrupção - Estupros - Pedofilia  e  Morte.Nesta ocasião quero propor a Ti um acordo definitivo e irrevogável diante do Todo-Poderoso.Acordo esse, o qual permitirá que Tu não sofras mais com nenhuma das mazelas citadas por mim,as quais tenho imposto aos seres humanos, com o objetivo de dominar alguns e subjugar a tantos outros.

Já que, aquele primeiro Adão que o Seu Pai colocou no Jardim do Éden, com o objetivo de povoar a terra e governa-la, não foi páreo para mim, pois o mesmo estava ligado de forma apaixonante àquela mulher ( Eva ) que eu a enganei com certa facilidade. Haja vista,  eu  ter  cortado  o  bem  pela  raiz , antes que o primeiro homem   (Adão) iniciasse sua descendência no Éden e formasse na Terra um  Governo de Justiça. Mas percebe-se que Tu não és como aquele Adão, que pela sua queda me entregou a autoridade e a glória desses reinos, 

e a dou a quem eu quiser. Nesta oportunidade, peço a sua atenção para confessar-te que, no mais íntimo dos meus sentimentos, tenho uma certa admiração por Ti.
E para provar que não sou tão mau assim, apenas não fui bem compreendido por seu Pai, o Todo Poderoso, por isso aproveito a ocasião para devolver a Ti o reino deste mundo, a fim de que Tu entres nas mentes e corações corrompidos por mim; e assim, as preencha com sua mente de justiça e pureza de coração, para que possas governar este mundo como no início planejado por Seu Pai. Somente te pedirei que realize o meu "sonho de consumo mais profundo", que é receber sua admiração. Por isso te peço que em troca de tudo que estou te oferecendo, apenas uma única coisa: Que fique ajoelhado diante de mim e me adore como uma divindade. 
Síndrome de Lúcifer.

 A RESPOSTA DE JESUS SERIA

"Certamente, oh! Satanás eu sofreria com o sofrimento da humanidade, e tu sofrerias muito por não poder mais fazer o mal aos seres humanos. Mas, isso seria provisório e não definitivo. Inevitavelmente chegaria o Dia do Juízo Final, e Eu não poderia ser o Cordeiro Imaculado a ser sacrificado na Cruz do Calvário pelos pecados da humanidade, pois teria cometido um único pecado: 'O de me prostrar a ti e te adorar'. Portanto, não existe nenhuma possibilidade de acordo entre Mim e ti, pois tu és trevas e Eu sou Luz" 
AQUI ENCERRA-SE O SUPOSTO DIÁLOGO ENTRE SATANÁS E JESUS

Então Jesus ordenou:

Retira-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus, adorarás, e só a Ele darás culto.
Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram.
Mateus 4. 1-11
Marcos 1. 12-13
Lucas 4. 1-1


Paz seja com todos!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...