sábado, 19 de agosto de 2017

O CRISTÃO DEVE JEJUAR ?



Nestes últimos tempos temos deparado com muita
polêmica sobre a prática do jejum no cristianismo, ou seja, se
o cristão deve ou não jejuar? A falta de um esclarecimento
explícito do Evangelho, nestes últimos dias, tem levado o
povo à sacrifícios que não têm nada a ver com a salvação
pela Graça de Cristo; como é o caso do jejum.
Porém, as Sagradas Escrituras deixam bem claro que a
salvação pela graça que vem por Cristo Jesus, não só salva,
mas também liberta da prática do jejum.

O sacrifício do cristão oferecido a Deus não vem pela
penitência da carne, mas pela mente, é pura fé, é espiritual
 (é racional), conforme esclarece o apóstolo Paulo, quando diz:
“Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que
apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e
agradável a Deus, que é o vosso culto racional” 
Romanos  12. 1

O nosso culto a Deus deve ser racional; e isto não
requer sacrifício da carne, mais sim, sacrifício vivo. Existem
obras vivas e obras mortas, conforme esclarece o escritor aos
hebreus, quando diz: “Porque, se o sangue dos touros e
bodes, e a cinza de uma novilha espargida sobre os imundos,
os santifica, quanto à purificação da carne, quanto mais o
sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si
mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências
  das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?” 
Hebreus  9. 13-14

As obras mortas que o escritor aos hebreus se refere,
são exatamente as obras da carne oferecidas a Deus, as quais
já cessaram com a realização da obra de Redenção que Cristo
realizou por nós, cravando-as na Cruz; foi quando Jesus
referiu-se ao Antigo Concerto (cujas obras da carne
oferecidas a Deus faziam parte), dizendo:
 “Está Consumado”.
A prática do jejum alimentar só se encontra na Bíblia
até o capítulo 15 de Atos; porque até ali os discípulos ainda
não tinham total conhecimento da salvação pela Graça que há
em Cristo Jesus. Pois só a partir da grande reunião, registrada
no capítulo 15 de Atos, quando naquela grande e famosa
assembleia, realizada em Jerusalém, os discípulos foram
ensinados pelo Espírito Santo que deveriam servir a Deus em
liberdade de espírito, sem os rudimentos do antigo pacto
Atos  15. 1-20 

Foi ali que os discípulos, pelo Espírito Santo,
ampliaram seus conhecimentos sobre a salvação pela Graça
de Cristo, entendendo assim toda a verdade do Evangelho,
para que se cumprisse as palavras de Jesus quando declarou:
“tenho muito que vos dizer, mas vos não podeis suportar
agora, mas, quando vier Aquele Espírito de verdade, Ele vos
guiará em toda a verdade”
João  16. 12-13

Aquele que jejua para realizar a obra de Deus, está
querendo realizar a obra em seu próprio nome (em nome da
carne, isto é, em nome do jejum), e não em nome de Jesus;
porque não age totalmente pela fé no nome de Jesus, mas sim
pela força da carne (pelo poder do jejum), pela confiança que
está preparado na carne. Ele usa o poder do jejum para
auxiliar o poder da fé. Tanto que se não jejuar ele teme não
ter poder para expulsar demônio, curar enfermos, ou realizar
qualquer outra obra de Deus. Porém, a confiança na carne
significa o fracasso da fé no nome de Jesus. Não disse o
apóstolo Paulo que é pela fé, para que ninguém se glorie?... E
que os que confiam na carne, não podem agradar a Deus?...

Então, se é por pura fé, já não pode ser auxiliado pela força
do jejum. Do contrário, estaríamos declarando que só o poder
da fé no nome de Jesus não funciona. Aliás, estaríamos
contrariando a declaração do próprio Jesus, que disse: 
“E estes sinais seguirão aos que crerem: 
“Em meu nome” expulsarão os demônios; 
falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e,
se beberem alguma coisa mortífera, 
não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão” 
Marcos 16. 17-18
Não se pode associar o poder da fé no nome de Jesus
à barriga vazia. Até porque, os demônios não têm medo de
barriga vazia; mas eles têm medo é da força da fé de um
cristão lavado e purificado pelo sangue de Jesus.
Aquele que está com Cristo não precisa jejuar. Isto
Jesus deixou bem claro, quando os discípulos de João
fizeram-Lhe a seguinte pergunta:
 “Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam?”
Então Jesus, se referindo à cristãos 
(ao povo que está com Ele, aos convidados as bodas), respondeu-lhes dizendo:
“Podem porventura andar tristes os filhos das bodas,
enquanto o esposo está com eles? 
Dias, porém, virão, em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão”
Mateus  9. 14-15; 

“Mas dias virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão naqueles dias” 
Marcos  2. 20

Nestes versículos Jesus deixa bem claro que o jejum é
sinal de tristeza, e que aquele que está com Ele não pode
andar triste. Ora, se Ele nos enviou o Espírito Santo como
Sua presença viva em nós, como então podemos andar
tristes? Por outro lado, a recomendação dos discípulos para
um cristão triste (depois que aprenderam, pelo Espírito Santo, 
tudo sobre a Graça de Cristo),
 não é para jejuar, mas sim para orar: “aquele que está triste, ore” 
Tiago  5. 13

Observem que quando Jesus disse: 
“Dias, porém, virão, em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão”;
Ele estava se referindo aos dias da Sua ausência pela Sua
morte até a Sua presença definitiva pelo Espírito Santo que
prometera, O qual os discípulos receberam no dia de
pentecostes, que significa a presença viva de Jesus na vida
daqueles que O recebem. Por isto já havia dito: “Não vos
deixarei órfãos; voltarei para vós” e também:
 “e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”
E ainda: 
“Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós”.


Pois Jesus já havia previsto a tristeza dos discípulos
devido a Sua ausência pela Sua morte, e também a alegria
deles pela Sua presença definitiva pelo Espírito Santo que
prometera; por isto também disse: “Na verdade, na verdade
vos digo que vós chorareis e vos lamentareis, e o mundo se
alegrará, e vós estareis tristes (eram os dias do jejum; dias de
tristeza) mas a vossa tristeza se converterá em alegria”
(quando não deveriam mais jejuar, porque seria somente alegria).
Muitos até dizem: “mas eu me sinto bem após o jejum”. 
Porém, o fato de alguém se sentir bem
espiritualmente após o jejum, é simplesmente porque
ninguém jejua sem o acompanhamento de oração; e na
verdade, o que fortalece a espiritualidade, é a oração e não o
jejum. Eu costumo citar o exemplo de uma pessoa íntima da
família, de saudosa memória, que fazia um benzimento,
segundo a crença popular, pelas crianças que sofriam com
arca caída (espinhela caída). Benzimento esse, acompanhado
de uma massagem, que geralmente as curava; porém, todos
atribuíam a virtude da cura ao benzimento. Mas um dia ela
converteu-se ao Evangelho de Cristo, e então parou com o
benzimento, passando a fazer somente a massagem; contudo,
a cura continuou acontecendo; foi quando se descobriu que o
benzimento não tinha valor algum, porque na verdade, o que
curava era apenas o efeito da massagem. 
Assim também é o caso do jejum acompanhado de oração; 
o jejum não tem nenhuma virtude espiritual no cristianismo,
 mas sim a oração feita com um coração quebrantado diante de Deus.
 
Alguém pode dizer:
 “mas Jesus ensinou o povo a jejuar, ao dizer: 
E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; 
porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareçam que jejuam. 
Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão; tu,
porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu
rosto, para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu
Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te
recompensará publicamente” 
 Mateus  6. 16-18

Quero salientar que Jesus, neste caso, não estava
determinando o jejum ao cristianismo, mas sim esclarecendo
sobre a verdadeira prática da Lei, isso é, como ela deveria ser
cumprida.
Porque, na verdade, Jesus nunca condenou a perfeita
prática da Lei, mas sim a imperfeição no cumprimento dela.
O que Jesus condenava era a atitude daqueles que, sem
capacidade (em pleno estado de miséria), se apresentavam
como cumpridores da Lei. Jesus considerava isso uma
hipocrisia. Por isso Ele recomendava, para os tais, serem
perfeitos no cumprimento de toda a Lei que eles persistiam
em guardar; conforme certo dia falou: “Ai de vós, escribas e
fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o
cominho, e desprezais o mais importante da lei” (Mt 23.23).

Inclusive, Jesus para cumprir a Lei, teve que praticar e
pregar todas as obras da Lei; pois como Jesus poderia
cumprir a Lei, se não estivesse de acordo com a circuncisão,
com o jejum, com a guarda do sábado, e com toda a Lei dos
mandamentos, se Ele veio exatamente para cumpri-la? Como
Jesus poderia cumprir tais obras, discordando com elas?
Porque também, jamais os discípulos iriam entender tal
situação, pois iriam observar Jesus fazendo exatamente
aquilo que discordava. Por isso que Jesus disse:
 “Tenho muito que vos dizer, mas vós não podeis suportar agora,
mas quando vier o Espírito de Verdade,
 Ele vos guiará em toda verdade”.
Aliás, Jesus não só ensinou como deveria ser
praticado o jejum, mas também ensinou a cumprir toda a Lei
de Moisés, inclusive, como se portar diante do altar das ofertas para os sacrifícios, 
ao dizer:
 “Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem
alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta,
e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e
apresenta a tua oferta”
 Mateus  5. 23

Vale ressaltar que Jesus não determinava essas obras
da Lei para os cristãos, Ele apenas ensinava o povo como elas
deveriam ser feitas para o perfeito cumprimento da Lei.
Tanto que Jesus não ordenava o jejum aos Seus discípulos.
Por isso foi questionado com a seguinte pergunta: 
“Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes,
 e os teus discípulos não jejuam?”
 
Porque Jesus não determinava o jejum para aqueles
que entrariam no Reino dos Céus pela Sua Graça.
E sobre a tão polêmica frase: “Esta casta de demônio
não se expulsa senão pela oração e jejum”, 
passaremos a examinar a seguir:
E, repreendeu Jesus o demônio, que saiu dele, e desde
aquela hora o menino sarou.
Então os discípulos, aproximando-se de Jesus em
particular, disseram: Por que não pudemos nós
expulsá-lo? E Jesus lhes disse:
 POR CAUSA DE VOSSA POUCA FÉ; 
porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, 
direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar;
e nada vos será impossível.
MAS ESTA CASTA DE DEMÔNIOS NÃO SE
EXPULSA SENÃO PELA ORAÇÃO E PELO JEJUM
Mateus  17. 19-21

Esta última frase se referindo ao jejum, segundo os
teólogos e estudiosos da Bíblia, foi acrescentada pela igreja
medieval entre o segundo e o quarto século; época em que a
igreja havia decaído da Graça de Deus.
A frase, possivelmente, foi uma suposição apócrifa
inserida sem bases, para respaldar alguma prática de
mandamento carnal. E isto tem muito fundamento; primeiro,
porque nos melhores manuscritos, inclusive nos textos mais
antigos já encontrados do Evangelho de Marcos, tal frase não
é encontrada. Aliás, as Bíblias revisadas e corrigidas,
inclusive a Almeida, comprovam isto. Por isto que elas
trazem os colchetes sobre a expressão referente ao jejum.

Segundo, porque entra em contradição com o contexto
antecedente; pois no versículo anterior Jesus havia dito que
os discípulos não expulsaram o demônio por falta de fé! Ora,
se fosse pela obra do jejum, já não seria pela fé! 
Como disse o apóstolo Paulo: 
“Se, porém, é pelas obras, já não é mais graça” 
Romanos  11. 6

Terceiro, porque não existe casta de
demônios para desafiar o poder da fé no nome de Jesus; pois
o poder da fé não precisa ser auxiliado pelo jejum. Quarto,
porque por orientação de Jesus os Seus discípulos não
jejuavam; isto está mais do que provado em Mateus, 9.14-15,
quando os discípulos de João cobraram isso de Jesus, dizendo: 
“Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes,
 e os teus discípulos não jejuam? ” 
Então Jesus respondeu-lhes
dizendo: “Podem porventura andar tristes os filhos das
bodas, enquanto o esposo está com eles? Dias, porém, virão,
em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão”.

E Também, quando Jesus enviou os Seus discípulos
para realizar a obra de Deus, Ele não determinou o jejum de
três dias, como muitos dizem, mas sim determinou que
comessem e bebessem, conforme está escrito: “E ficai na
mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois
digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em
casa; e, em qualquer cidade em que entrardes, e vos
receberem, comei do que vos for oferecido; e curai os
  enfermos que nela houver, e dizei-lhes: 
É chegado a vós o reino de Deus”
Lucas  10. 7-9

E os discípulos então, de barriga cheia, agiram com
tanto poder (inclusive sobre os demônios), que Jesus chegou a dizer:
 “Eu via Satanás, como raio, cair do céu” 
Lucas  10. 18

Quem acrescentou a frase do jejum no texto em
questão, cometeu um erro grosseiro; pois nem importou-se
com o que Jesus havia dito no contexto antecedente.
Observemos que quando Jesus foi perguntado sobre a causa
que negativou a ação dos discípulos na expulsão do demônio,
Ele citou apenas a falta de fé; apenas um fator, ao dizer:
 “Por causa da vossa pouca fé”.
É evidente que a prática do jejum, no contexto do
Evangelho, entra em contradição com a resposta de Jesus.
Isto nos dá a certeza de que tal frase não faz parte do
Evangelho de Cristo.

Concluo este texto recitando a resposta de Jesus quando Lhe perguntaram: 
“por que os Seus discípulos não jejuavam?”
“Podem porventura andar tristes os filhos das bodas,
enquanto o esposo está com eles?”. 
Amém.



Paz seja com todos.
JC de Araújo Jorge


terça-feira, 20 de junho de 2017

Batismo nas águas - Batismo com Espírito Santo - Batismo com Fogo: O FIM DO MISTÉRIO!





BATISMO NAS ÁGUAS

Na época de João Batista, batizava-se em água para arrependimento de pecados em preparação a chegada do Messias prometido, quando Ele mesmo batizou-Se, não porque tinha pecado para arrepender-Se naquele momento, mas que no dia da crucificação teria que cumprir toda justiça, arrependendo-Se dos pecados de toda humanidade que tomara sobre Si.

 Na Nova Aliança, o Batismo nas águas é o  primeiro testemunho público daquele que nasceu de novo e que não se envergonha diante dos homens por ter recebido a Cristo como Senhor e Salvador de sua vida. Entretanto, se o participante desse simbolismo (Batismo nas águas) ainda não  experimentou o Novo Nascimento, ele apenas ingressou como mero religioso em uma igreja local, desprovido de  todo contexto espiritual do que representa pertencer ao Corpo de Cristo.  


BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO 

Todos que ouvem as palavras de vida eterna e recebem  Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas, experimentam o Novo Nascimento, pois nascem da Água (Palavra) e do Espírito, porquanto após O Espírito Santo nos convencer do pecado, da justiça e do juízo, Ele mesmo passa a fazer morada em nosso coração (espírito humano);  e  dessa  forma,  passamos andar em novidade de vida.
Portanto, todos que se convertem verdadeiramente ao Evangelho de Cristo, independente de falar  ou não em línguas, são batizados com o Espírito Santo.



BATISMO COM FOGO DO ESPÍRITO

Após receber o Batismo com o Espírito Santo pelo novo nascimento, basta perseverar até o fim para ser salvo. Entretanto, se quisermos combater o bom combate da fé contra as hostes espirituais da maldade que agem contra a edificação da Igreja e a vida do nosso próximo, existe a possibilidade de uma nova experiência, a qual se constitui no complemento da plenitude do Espírito Santo para os nascidos de novo que querem e buscam  um maior revestimento de poder com capacitação especial não só para testemunhar o Evangelho destemidamente, como também para desempenhar com ousadia e intrepidez as manifestações dos dons espirituais, visando com isto o aperfeiçoamento dos santos e a edificação do Corpo de Cristo.


EVIDÊNCIA DO REVESTIMENTO DE PODER PELO 
BATISMO COM DONS ESPIRITUAIS:


DONS DE REVELAÇÃO 

1. PALAVRA DE SABEDORIA - Revelação de fatos que se darão somente no futuro.
2. PALAVRA DE CONHECIMENTO - Revelação de fatos do presente e/ou  passado.
3. DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS - Introspecção numa dimensão espiritual. 


DONS DE PODER 

1. DOM DA FÉ - Fé especial.
2. OPERAÇÃO DE MARAVILHAS - Milagres sobre a natureza.
3. DONS DE CURAR - Milagre sobre doenças e enfermidades.


DONS DE INSPIRAÇÃO 

1. VARIEDADES DE LÍNGUAS - Menor dos dons, pois só edifica a si mesmo.
2. CAPACIDADE DE INTERPRETAR - Interpretação de língua cifrada para edificação de todo Corpo.
3. PROFECIA -  Recado divino para exortação, consolo e edificação do corpo de Cristo.


CONCLUSÃO

Somente o Senhor Jesus recebeu todos os dons acima, pois o Senhor Deus não lhe deu o Espírito por medida;  contudo,  somente nas manifestações espirituais da cristandade espalhada pela face da Terra,  pode-se exercer todos os dons espirituais ou a maioria deles, conforme o Espírito Santo nos conceder, visando sempre um fim proveitoso na  edificação da Igreja de Cristo. 


Paz Seja Com Todos,
JC de Araújo Jorge



sexta-feira, 21 de abril de 2017

IGREJAS DO SÉCULO XXI: Lugar de Entretenimento, Empresa ou Corpo de Cristo ?





 IGREJA    ENTRETENIMENTO

"CARNAVAL  GOSPEL"
É crescente o número de denominações evangélicas que em suas reuniões vem assimilando a forma do mundo, as quais se secularizam a cada dia.
Como se não bastasse a presença de políticos nos púlpitos nas tais denominações, com o objetivo de promover barganha em época de eleição, os próprios líderes religiosos tendo como pretexto atrair visitantes para aumentar seu rebanho, vem transformando os altares de suas congregações em verdadeiros palcos com atrações diversas.

ORIGEM
Tudo começou quando a ministração dos cânticos que ocorria de forma espontânea e espiritual, num período separado para louvor, foi sendo substituída por pseudos ministros de louvores; os quais dão voz de comando aos membros participantes de um culto, quanto a forma de expressão corporal e até mesmo verbal, dizendo o que se deve falar ao irmão do lado direito e esquerdo; afirmando que esta prática, é uma espécie de profecia. Dessa forma a condução da adoração que deveria ser espontânea e espiritual, passou a ser uma ministração robotizada, sujeitando-se até a eventuais coreografias que desrespeita os irmãos menos jovens (meia e terceira idade), em nome de um modernismo que praticamente dispensa a presença e o mover do Espírito Santo.

                        
                                                                                                                 
                                                                                                                              
IGREJA EMPRESA
"CASA  DO  TESOURO"

Já algumas denominações evangélicas neopentecostais e outras, enriqueceram-se tanto que se comportam como verdadeiras empresas.
Seus líderes montaram seus impérios econômicos e religiosos, com base num formato de igreja que usa o Nome de Jesus sem o devido temor, para que seus objetivos sejam alcançados. Eles conseguem atingir grande crescimento quantitativo e adquirir robustez financeira, sem contudo preocupar-se com a assistência aos necessitados; visto que, tais líderes apropriam-se das finanças de suas congregações como se fosse fruto do seu próprio trabalho e não como recurso para a Igreja atender aos necessitados do Corpo de Cristo e a outros mais pequeninos que precisam de assistência e da pregação das Boas Novas do Evangelho de Cristo.   

As finanças acumuladas durante a gestão desses dirigentes religiosos, geram preocupação quanto ao futuro das mesmas; por isso, eles investem em suas respectivas esposas (intelectual e teologicamente), como uma espécie de medida preventiva que lhes garanta total segurança em caso de uma eventual tragédia que possa culminar em sua morte, sem que haja o risco da transferência denominacional para outrem e consequente perda do controle financeiro de todo dinheiro angariado da membresia e acumulados em instituição bancária. Membresia essa  que não tem acesso a nenhum tipo informação financeira, mas somente das necessidades materiais do templo, como forma de incentivo a prática de ofertas alçadas, já que existe a  garantia da arrecadação de dízimos por força de lei do velho testamento. 
Assim sendo, prepara-se antecipadamente e as ocultas,  documentação que conste que a esposa do pastor em questão é vice presidente da denominação. No caso da tragédia se confirmar,  a viúva herdará a igreja e não o pastor adjunto, que neste caso poderia até assumir a direção do púlpito na pregação da Palavra. Não obstante, o ex adjunto ou outro candidato que aceitar o status de pregador titular, deverá prestar conta e obediência a mais nova herdeira da congregação, a qual juridicamente passará  a ter plenos poderes na administração eclesiástica e consequentemente na presidência da denominação, chamada igreja. E se nenhuma tragédia vier a acontecer aos líderes dessas denominações, eles preparam seus filhos ou genros ao ministério pastoral, para que no futuro ao se aposentarem ou jubilarem, seus impérios econômicos sejam transferidos para os futuros capitalistas evangélicos, formando assim sua própria dinastia familiar e particular.


 IGREJA CORPO DE CRISTO

NOIVA  DO  CORDEIRO
          


A Igreja de Cristo é espiritual e não depende de nenhum formato secular de Entretenimento ou Empresarial , pois Ela foi constituída e edificada por Cristo para a verdadeira adoração, libertação dos cativos e pregação do Evangelho para arrependimento e salvação eterna de todo aquele que crê.


TAMBÉM É MISSÃO DA IGREJA 
Socorrer os necessitados em suas aflições, acolher os órfãos e as viúvas e não acumular riqueza ou gastá-la de forma leviana com Shows gospel ou coisas afins.
Alguns líderes comportam-se de forma estranha, como se fossem donos de igrejas e  não tivessem que prestar contas ao verdadeiro Cabeça do Corpo, que é Cristo Jesus, o qual comprou a Igreja com Seu precioso sangue, e que virá buscar a Sua Noiva, sem mácula e sem ruga, para a glória de Deus Pai Todo Poderoso.  Amém. 




"PORQUE  JÁ  É  TEMPO  QUE  COMECE  O  JULGAMENTO  PELA  CASA  DE  DEUS;  E,  SE  PRIMEIRO  COMEÇA POR  NÓS,  QUAL  SERÁ  O  FIM  DAQUELES  QUE  SÃO  DESOBEDIENTES  AO  EVANGELHO  DE  DEUS ?" 

I Pedro 4. 17



CONSIDERAÇÕES FINAIS DO AUTOR

NÃO  PRETENDO  QUE  OS  LEITORES  DESTA  MENSAGEM  CONSIDEREM  QUE,  DA  PARTE  DO  AUTOR HAJA  ALGUMA  ATITUDE  PESSIMISTA  COM  RELAÇÃO  AS  CONSTATAÇÕES  OBSERVADAS  EM  PARTE  DAS  IGREJAS DESTE  SÉCULO;  PELO  CONTRÁRIO,  VENHO  INFORMAR  AOS  LEITORES  DESTE  POST  QUE  O  LEGÍTIMO CABEÇA  DO  CORPO  ESTÁ  DEIXANDO  QUE  ESSAS  CALAMIDADES  OCORRAM  NA  SUA  IGREJA  PARA VER  ATÉ  ONDE  VAI  A  FALTA  DE  TEMOR  DE  ALGUNS  E  PARA  PROVAR  O  QUE  ESTÁ  NO  CORAÇÃO  DE  OUTROS;  MAS,  QUE  ELE  MESMO,  O  CABEÇA  DO  CORPO,  TEM  FRUSTRADO  A  MUITOS  E  CORRIGIDO  A TANTOS  OUTROS  PRESUNÇOSOS  E   NÃO  POUCOS  INFIÉIS .

FIQUEI  SABENDO  QUE  UMA  CERTA  SENHORA  DENOMINADA  "BISPA"  E  SEU  ESPOSO,   TINHAM   NO  SEU  IMPÉRIO  RELIGIOSO  1.100  TEMPLOS  E  QUE,  APÓS  SOFREREM  UMA  BRUSCA  REDUÇÃO  DOS   MESMOS,  PASSOU  A  CONTAR  COM  APENAS   300; ISSO DEVIDO  AOS  ESCÂNDALOS  SUCESSIVOS  OCORRIDOS  EM  SUA  GESTÃO.  ENTRETANTO,  PARA  ABAFAR  O  CASO,  O  CASAL  EM  QUESTÃO  TERIA   DECIDIDO  APOSENTAR-SE  E  ENTREGAR  A  DIREÇÃO  DO  SEU  IMPÉRIO  ECONÔMICO-RELIGIOSO  AO  SEU  FILHO.  O  QUE  TAMBÉM  NÃO  FOI  POSSÍVEL,  POIS  O  JOVEM  HERDEIRO  QUE  FORA  PREPARADO  PARA  A  REFERIDA  SUCESSÃO,  INFELIZMENTE   ENCONTRA-SE  HOSPITALIZADO  E  EM  COMA. 

EXISTE  OUTRO  IMPÉRIO,  TALVEZ  O  MAIOR  DELES,  QUE  EM  TERMOS  RELIGIOSOS  VEM  SOFRENDO BAIXAS  FREQUENTES  EM  SEU  NÚMERO  DE  FIÉIS.  FATO  ESTE  QUE  LEVOU  O  SEU  LÍDER  MAIOR  A  SAIR  DO CONFORTO  DE  UMA  DE  SUAS  MANSÕES  NO  EXTERIOR   E  RETORNAR  AO  BRASIL  PARA  ATACAR  AS DEMAIS  DENOMINAÇÕES  EVANGÉLICAS  DE  LIDERANÇA  EXPRESSIVA, "ATIRANDO  PARA  TODOS  OS   LADOS",  NUMA  TENTATIVA  FRUSTRANTE  E  DESESPERADA  DE  REVERTER   O  QUADRO  QUE  SE  APRESENTA  COMO  UMA  ESPADA  SOBRE  A  SUA  CABEÇA.

SE  ALGUÉM  TEM  PRESENCIADO  ESSE  TIPO  DE  ACONTECIMENTO  NA  IGREJA  DO SENHOR OU  EM SUA  PRÓPRIA  DENOMINAÇÃO,  NÃO  PRECISA  FICAR  ABATIDO,  MAS  ORE  PARA  QUE  O  DONO  DA IGREJA,  QUE  É  CRISTO,  TOME  AS  PROVIDÊNCIAS  CABÍVEIS, POIS  O JUÍZO  COMEÇA  PELA  CASA  DE DEUS,  APONTANDO  E  EXORTANDO  PARA  NOS  ALEGRARMOS,  PORQUANTO  A  NOSSA  REDENÇÃO  ESTÁ  PRÓXIMA.
ALEGREMO-NOS  PORTANTO,  PORQUE  A  NOSSA  REDENÇÃO  ESTÁ  PRÓXIMA.


MARANATA!  ORA,  VEM  SENHOR  JESUS.


Paz seja com todos!
JC de Araújo Jorge

quarta-feira, 12 de abril de 2017

MARCHA PARA JESUS: Grande concentração gospel sem direção espiritual



Os idealizadores da "Marcha para Jesus"


Não se espelhe em líderes que expõe e manipulam sua membresia visando interesses políticos, haja vista, "As marchas para Jesus" que, por meio das quais muitos pseudo-religiosos tem sido eleitos ou galgado cargos políticos, sem ter no entanto a direção do Espírito Santo para tal manifestação; já que, Jesus não precisa de nenhum tipo de marcha, muito menos gospel, as quais aliam-se ao mundo e comportam-se como verdadeiros blocos carnavalescos.

 Muitos participantes dessas manifestações iludem-se ao julgarem estar prestando louvor a Deus, conquanto, as coisas não são tão espirituais como querem demonstrar; por exemplo, as ditas marchas  funcionam da seguinte forma:

Os dirigentes evangélicos mais renomados, querem mostrar seu poder de manipulação das massas gospel diante do mundo político, e isto com o objetivo de obter maior poder de barganha frente a uma demanda eleitoreira no caso de elegerem seus próprios candidatos evangélicos ou apoiar outros que não são tão religiosos assim, mas que poderiam lhes proporcionar algum tipo de favorecimento.

Os políticos que precisam de massa eleitoral para continuar no poder, já entenderam o recado dos líderes evangélicos, fato é que já estão subsidiando tais manifestações, como é o caso do Rio de Janeiro.

 Os cantores gospel por sua vez, tem oportunidade de divulgarem suas músicas,  promoverem suas imagens e demonstrar disponibilidade para fazer $how desta mesma natureza, objetivando aumentar o valor de seus cachês cada vez mais suntuosos. Quanto aos órfãos, as viúvas e aos mais pequeninos, de forma alguma poderiam fazer parte deste contexto, pois nem dizimistas são! 

Em suma, essa tal marcha não tem nada de Jesus, a não ser pela exploração do Seu Nome, o qual tem sido usado em vão pelos participantes manipulados em proveito de interesses pessoais de seus organizadores.


LAMENTÁVEL É ESTA REALIDADE GOSPEL!


Paz seja com todos,
JC de Araújo Jorge



DIÁLOGO INÉDITO...

A imagem acima não significa de forma alguma que o diabo é páreo para o Cristo
 glorificado, o qual recebeu todo poder nos céus e na terra, 
mas somente tenta representar o confronto do Jesus 
100% homem que abriu mão de sua glória em 
substituição ao primeiro Adão, vencendo o
 pecado em nosso lugar e pagando 
preço da nossa condenação 
eterna.


INTRODUÇÃO

Após ter sido batizado por João Batista no rio Jordão, Jesus cheio do Espírito Santo foi guiado pelo mesmo Espírito ao deserto para ser tentado, a fim de ser aprovado para Sua grande Missão de Salvador da humanidade decaída.

Para ver postagem completa, acesse o link:

TENTAÇÃO NO ESPÍRITO 
Coração - Emoção - Bondade... 

Testificando que Jesus vencera a primeira tentação no corpo e a segunda na alma, 
o Diabo planejou a terceira e grande tentação no espírito, como um golpe de "mestre".

"Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos reinos do mundo 
e a glória deles e lhe disse: 
Tudo isto te darei se, prostrado me adorares".



OPINIÃO DO AUTOR
Creio sinceramente que Jesus não poderia ficar tentado por nenhum reino deste mundo, nem  tão pouco pela glória deles; pois de onde viera junto do Pai era infinitamente mais glorioso. Porém, o astuto tentador apelou para a bondade, a misericórdia e o amor de Jesus
para colocar seu plano diabólico em ação.
Foi mostrado pelo Diabo com a permissão de Deus, todas as nações e seus governantes, assim como seus impérios: militares, políticos e econômicos, ou seja, o domínio deste mundo onde o príncipe é Satanás.


ATENÇÃO
O diálogo a seguir é apenas uma ficção e tem por objetivo
 trazer uma melhor compreensão da terceira tentação de Jesus no deserto, já que a real veracidade dos fatos, só poderemos saber quando  estivermos face a face com o Mestre.


SUPOSTO DIÁLOGO ENTRE SATANÁS E JESUS
"Eu Satanás, que tenho livre acesso nas mentes e  nos corações dos homens que governam nações e também dos que tem o poder econômico, faço com que os mesmos criem: 
Guerras - Miséria - Fome - Violência - Injustiça - Ganância - Corrupção - Estupros - Pedofilia  e  Morte.
Nesta ocasião quero propor a Ti um acordo definitivo e irrevogável diante do Todo-Poderoso.Acordo este, pelo qual proporcionará que Tu não sofras mais com nenhuma das mazelas citadas por mim, as quais tenho imposto aos seres humanos com o objetivo de dominar alguns e subjugar a tantos outros.

Já que, aquele primeiro Adão que o Seu Pai colocou no Jardim do Éden com o objetivo de povoar a terra e governa-la, não foi páreo para mim, pois o mesmo estava ligado de forma apaixonante àquela mulher (Eva) que eu a enganei com certa facilidade. Haja vista eu  ter  cortado  o  bem  pela  raiz antes que o primeiro homem (Adão) iniciasse sua descendência no 
Éden e formasse na Terra um  governo de Justiça. 

Mas percebe-se que Tu não és como aquele Adão, que pela sua queda me 
entregou a autoridade e a glória desses reinos, e eu a dou a quem quiser. Portanto, nesta oportunidade peço a sua atenção para confessar-te que, no mais íntimo dos meus sentimentos,
 tenho uma certa admiração por Ti.
E para provar que não sou tão mau assim, apenas não fui bem compreendido por seu Pai, o Todo Poderoso, aproveito a ocasião para devolver a Ti o reino deste mundo, a fim de que Tu entres nas mentes e corações corrompidos por mim; e desta forma tenhas o controle da humanidade, preenchendo seus corações e mentes com a Sua justiça para que possas governar
este mundo como no início planejado por Seu Pai. 
Contudo, somente te pedirei que realize o meu 
"sonho de consumo mais profundo",
 que é receber sua admiração. Por isso te peço que, em troca de tudo que
 estou te oferecendo, eu receba uma uma única coisa de Ti: 
Que fique ajoelhado diante de mim e me adore como uma divindade. 
(Síndrome de Lúcifer)

 A RESPOSTA DE JESUS SERIA

"Certamente, oh! Satanás eu não sofreria mais com o sofrimento da humanidade,
 enquanto tu se indignaria
 muito por não poder mais fazer o mal aos seres humanos. 
Mas isso seria provisório e não definitivo, porquanto inevitavelmente chegaria 
o Dia do Juízo Final e Eu não poderia ser o Cordeiro Imaculado a ser sacrificado
 na Cruz do Calvário pelos pecados da humanidade, 
pois Eu teria cometido um único pecado: 
'O de me prostrar a ti e te adorar'.
Portanto, não existe nenhuma possibilidade de acordo entre Mim e ti, 
pois tu és trevas e Eu sou Luz."
AQUI ENCERRA-SE O
 SUPOSTO DIÁLOGO ENTRE SATANÁS E JESUS

Então Jesus ordenou:

Retira-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus, adorarás, e só a Ele darás culto.
Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram.
Mateus 4. 1-11
Marcos 1. 12-13
Lucas 4. 1-1



Paz seja com todos!
JC de Araújo Jorge

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

CARNAVAL (Hora das Trevas) E O Evangelismo GOSPEL ...

Ilusão disfarçada de alegria !



Gostaria de contribuir de alguma forma na abordagem do tema: "Evangelismo no Carnaval", o qual considero relevante e ao mesmo tempo de intenções duvidosas  por parte de alguns dirigentes evangélicos. Penso haver certa insensatez  até para os bem intencionados, pois lhes faltariam o bom senso de se colocarem no lugar dos membros de uma igreja evangélica, no sentido de avaliar com mais discernimento os riscos que os mesmos poderiam estar submetidos na evangelização nos dias de carnaval.



A forma com que esta festa da carne é realizada no Brasil, alcança uma dimensão espiritual de densas trevas; onde a anarquia, o vandalismo, a sensualidade, a promiscuidade, a violência e outras abominações do tipo são atuantes, em corpos, mentes e corações dos adoradores do deus deste século. Portanto, não seria prudente expor a Igreja de Cristo (ovelhas) a pregar o Evangelho para aqueles que não estão interessados em ouvir as palavras de vida eterna.

Analisando do ponto de vista governamental, o Estado torna-se conivente com o pretexto de se tratar de uma festa popular, como também algumas autoridades constituídas vêem nesta grande concentração de pessoas, mais uma oportunidade de levantarem suas bandeiras partidárias com objetivos meramente eleitoreiros. Assim sendo, a baderna oficializa-se e organiza-se de forma  visivelmente depravada.


OBSERVAÇÃO
Os que não se encontram no "camarote da observação" e sim na "arquibancada" e as vezes na "geral",  de quem não tem o privilégio de morar na Zona Sul e sim em Subúrbios, quando não em Periferias.


CHEGO A SEGUINTE CONCLUSÃO

Os templos deveriam abrir nos dias de carnaval para que seus membros pudessem frequentá-los somente na parte da manhã, período este em que os foliões encontram-se dormindo. Quanto ao horário noturno, o templo não deveria abrir suas portas, pois os transportes de massa estariam abarrotados dos admiradores do carnaval assim como praças e ruas, estariam com seus espaços ocupados com blocos carnavalescos e foliões dificultando também o tráfego de veículos, e consequentemente, o transitar dos cristãos aos seus respectivos Templos.




Enquanto isso, no evangelismo durante o carnaval...


PRUDÊNCIA
Com relação ao Evangelismo noturno, não creio que esta exposição ao carnaval pudesse render frutos, a não ser que: Os templos permanecessem abertos somente com obreiros consagrados para a missão de receber os necessitados de socorro espiritual, mesmo vindo do carnaval, libertando-os do engano de Satanás e acolhendo-os junto ao Corpo de Cristo, com a pregação do Evangelho da Paz.

E os que não estiverem preparados para essa Missão, que não exponha a Igreja ao perigo.   
Ao contrário, que prudentemente conduzam suas ovelhas para local apropriado (retiro), onde haja oração, intercessão e estudo das Boas Novas do Evangelho de Cristo.




Bloco Carnavalesco Gospel
"Cara de Leão"

ATENÇÃO
Não se espelhem em líderes que expõe e manipulam suas ovelhas, visando interesses eleitoreiros, haja vista"As marchas para Jesus", as quais tem elegido alguns pseudos cristãos e outros interessados no poder de influência e de manipulação desses mesmos dirigentes evangélicos, os quais fazem barganhas política para alcançarem seus objetivos, sem no entanto terem a direção do Espírito Santo para tal manifestação; já que, o Senhor Jesus não precisa de nenhum tipo de marcha e muito menos de blocos carnavalescos gospel.







SEJAMOS PORTANTO:
"Prudentes como as serpentes e símplices como as pombas".
Mateus  10. 16b


Paz seja com todos!

Discípulo de Cristo,
JC de Araújo Jorge

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

DIVÓRCIO: Porta larga que conduz muitos ao engano e alguns a perdição eterna ...




O tema deste post não é direcionado aos incrédulos, pois esses primeiramente precisam entender  o que significou a morte de Jesus pelos pecados de toda a humanidade; para que dessa forma, possam receber Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas;  até porque, Deus não leva em conta os pecados no tempo da ignorância, pois o sangue do Senhor Jesus Cristo é poderoso para nos purificar de todo pecado, nos fazendo nova criatura para que possamos andar em novidade de vida

A minha preocupação é com o Corpo de Cristo, principalmente com alguns ministros evangélicos que, as vezes por falta de entendimento dos ensinos neotestamentários, encontram dificuldade quanto a orientação da sua membresia na questão da separação conjugal entre cristãos; quando não, por falta de temor e/ou por conveniência preferem tornarem-se cúmplices do divórcio em detrimento do cumprimento ao que está escrito nas Boas Novas do Evangelho de Cristo.

 PERÍODO DA LEI 
[Velho Testamento]

Porque, primeiro foi formado Adão, depois Eva.
E Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.
I Timóteo 2. 13 - 14

Na lei de Moisés, mediante carta de divórcio, 
as mulheres eram repudiadas pelo homem duro de coração que a substituía por qualquer motivo, influenciado pela sociedade judaica que estigmatizava a mulher por ter sido Eva enganada pela serpente e não o homem, chegando a condição de não ser contada na genealogia dos Hebreus.



 PERÍODO DA GRAÇA 
[Novo Testamento]

 Mateus  19.  1 - 12

E ACONTECEU que, concluindo Jesus estes discursos, saiu da Galileia, e dirigiu-se aos confins da Judeia, além do Jordão; E seguiram-no grandes multidões, e curou-as ali. 

 Então chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? 

 Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, 

 E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? 

 Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. 

Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la? 

 Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. 

 Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. 

Disseram-lhe seus discípulos: Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. 

 Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. 



DISSE JESUS:
Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério
 [e o que casar com a repudiada comete adultério].
Mateus 19.  9 

 Ora, a mulher casada está ligada pela lei ao marido, enquanto ele vive; mas, se o mesmo morrer, desobrigada ficará da lei conjugal.
De sorte que será considerada adúltera se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro homem; porém, se morrer o marido, estará livre da lei e não será adúltera se contrair novas  núpcias. 
Romanos 7. 2 - 3                                

Ora, aos casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido.
(se, porém, ela vier a separar-se, que não se case ou que se reconcilie com seu marido)
 e que o marido não se aparte de sua mulher.  
I Coríntios 7.  10-11

Aos mais digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher incrédula, e esta consente em morar com ele, não a abandone.
E a mulher que tem marido incrédulo e este consente em viver com ela, não deixe o marido.
Porque o marido incrédulo é santificado no convívio da esposa, e a esposa incrédula é santificada no convívio do marido crente. Doutra sorte, os vossos filhos seriam impuros; porém, agora, são santos. 
Mas, se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; em tais casos, não fica sujeito à servidão nem o irmão, nem a irmã; Deus vos tem chamado à paz. 
I Coríntios 7. 12 - 15
                                                                     
A mulher está ligada enquanto vive o marido; contudo, se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, mas somente no Senhor.
Todavia, será mais feliz se permanecer viúva, segundo a minha opinião;  e penso que também eu tenho o Espírito Santo. 
I Coríntios 7.  39 - 40


CONCLUSÃO

Segundo o Evangelho da Graça, o divórcio concedido por Jesus só é permitido ao homem que foi traído pela esposa que cometeu adultério pela relação sexual ilícita. No caso em que o marido é o adúltero e a esposa traída não quer reconciliação (perdoar), a mesma poderá separar-se por ter sofrido a traição conjugal, assim como por qualquer outro motivo. Entretanto, a mulher separada estará cometendo adultério juntamente com aquele homem que vier a casar-se com ela;  pois, segundo o Espírito Santo por meio do apóstolo Paulo, a mulher cristã que optar pela separação conjugal, deverá permanecer só e pura. 
[até o fim de sua existência ou quando ocorrer o arrebatamento da noiva de Cristo]  
grifo do autor do blog

A exigência bíblica (neotestamentária) que não dá direito ao divórcio para contrair novo casamento, só é válida para a mulher; pois o homem traído que não quer reconciliar-se por motivo do adultério do cônjuge, o qual  provocou vergonha e desonra na vida conjugal do esposo, é concedido pelo Senhor Jesus uma nova oportunidade ao mesmo, a qual consiste em divorciar-se da  esposa adúltera e casar-se novamente. Fato este que não o isenta de liberar o perdão a ofensora; e isto, tão somente por uma questão de salvação pessoal dele e não por obrigatoriedade de reconciliação. 

Este mandamento foi uma ordenança exclusiva do Senhor Jesus aos maridos traídos e não ao gênero humano (homens e mulheres); pois se assim o fosse, também incluiria a mulher quando sofresse a traição conjugal, o que não é o caso. Porquanto, a mulher cristã que sofreu o adultério do marido e optou pelo divórcio por não conceder perdão para reconciliação do casamento, não é permitido que a mesma venha a contrair novas núpcias ou mesmo praticar qualquer forma de fornicação, sob pena de estar incluída no pecado de adultério, tanto ela, quanto ao homem que vier relacionar-se sexualmente com a mulher que optou pelo divórcio.
 Portanto, esta exceção do divórcio com direito a um novo casamento, só é concedida ao homem traído e não a mulher.  

Acredito que, essa exceção de conceder ao homem traído novo matrimônio, dá-se não só pelo fato da reparação da desonra do marido ofendido, mas também para que os filhos que restou de um casamento desfeito sejam beneficiados pela possibilidade de um novo lar, juntamente com a nova esposa que assumirá o papel de mãe, caso haja filhos menores para serem educados no Caminho do Evangelho, como recomenda a instrução bíblica de Provérbios 22. 6:
    Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.


Quanto as feministas gospel (rebeldes) discordarem, no sentido de acharem que o Senhor Jesus  está fazendo acepção no tratamento dado a elas; reflita bem, pois para quem iria ser apedrejada segundo a Lei de Moisés, permanecer só e pura, é uma forma de preservar-se da condenação eterna. 
Contudo, as mulheres cristãs que guardarem esses mandamentos
 (Mateus 19.  9  e   I Coríntios 7.  10 - 11) , 
serão dignas de muito mais honra, misericórdia e Graça da parte do nosso Senhor e Salvador, 
pois sabiamente preferiram obedecer ao Espírito Santo da promessa, O qual nos conduzirá a toda verdade do Evangelho de Jesus e por fim a Vida eterna com  Cristo! 


QUEM TEM OUVIDOS, OUÇA O QUE O ESPÍRITO DIZ ÀS IGREJAS.
Apocalipse  3. 22 

Paz seja com todos!
JC de Araújo Jorge
                                                                                               
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...