quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

DÍZIMO LEVÍTICO versus OFERTAS DE JUSTIÇA




MINHA   EXPERIÊNCIA

Nos primeiros anos de minha caminhada cristã, observando a atitude de alguns pastores quando ministravam a necessidade de ofertas por parte da congregação, os quais citavam o capítulo 3 do Profeta Malaquias para pressionar a cobrança de dízimos e, também analisando o comportamento de alguns cristãos na prática de "pagar dízimos", quando os mesmos  pareciam estar comprando a salvação por meio de prestações correspondentes a 10% de seus salários. Os referidos irmãos pareciam demonstrar com essa atitude,  uma espécie de "cala boca" em Deus, pois a partir desses pagamentos mensais e infindáveis, não precisariam preocupar-se tanto com o amor ao próximo, nem tão pouco com a verdadeira santificação, mas somente com suas aparências exteriores e com ensinamentos da antiga aliança, ministrado segundo conveniências de homens religiosos.

Outros irmãos de uma linha evangélica menos farisaica, faziam uso da seguinte expressão:
"Temos  que devolver os 10% de Deus, pois do contrário seremos considerados ladrões e consequentemente perderemos nossa salvação se morrermos nesta condição".
Caso a morte não ocorresse na vida dos cristãos "inadimplentes", os mesmos estariam debaixo da maldição da lei, ou seja, ficariam a mercê dos devoradores de Malaquias 3. 8-11, conforme pronunciamento de pastores radicais e defensores de dízimos veterotestamentário.

A partir de então, passei a estudar o Novo Testamento por completo e minuciosamente; visto que, aquela forma de provocar terror em alguns cristãos e promover farisaísmo em outros, era no mínimo estranha e não compatível com o Evangelho da Graça. Sem contar com o absurdo de se colocar pessoas para exercerem funções de lideranças no Corpo de Cristo pelo simples fato de terem salários mais altos e outros irmãos com menores salários serem excluídos do rol de obreiros, mesmo com chamado eclesiástico ou até ministerial. E isto, por uma questão meramente financeira ou quando não, por fazer parte da parentela do dirigente denominacional ou mesmo da congregação local.

Reconheço que, mesmo não encontrando em todo Novo Testamento respaldo bíblico para o dízimo, guardei esse entendimento no meu coração por alguns anos; pois na época se isso viesse a tona, seria considerado um sacrilégio à igreja e digno de maldição por parte do clero evangélico. Confesso que a avaliação de tudo isso, me fez ponderar e continuar dizimando por mais algum tempo, mesmo sem concordar com o dito terrorismo já relatado acima. E assim, contornei aquela situação com a seguinte ponderação:
"A igreja precisaria de recursos, mesmo que fosse fazendo uso da antiga aliança; e, se o uso dos referidos dízimos não fizessem bem a igreja, mal também não poderiam fazer".

Mas, para a minha decepção aquela base de arrecadação por "imposto compulsório" (dízimo) estava alicerçado sobre a Tradição da Lei, o que para a Nova Aliança se constituía em uma desobediência, consciente ou não, mas muito conveniente para a maioria dos dirigentes denominacionais, os quais  se estabilizam financeiramente e alguns, por acumularem e adorarem as riquezas, 
tornam-se prisioneiro espiritual de sua própria avareza, 
conforme tema já postado anteriormente no link abaixo:

Não obstante, algumas igrejas terem enriquecido financeiramente pela cobrança desse imposto,  espiritualmente se empobrecem a cada dia; e é por isso que a "verdade e as mentiras" sobre este tema (dízimo) tem grande relevância nos últimos dias da Igreja de Cristo. Portanto, exorto em amor a todos os pastores de igrejas que amam suas ovelhas e querem ser fiéis as verdades do
Evangelho de Cristo a retornem ao primeiro Amor, como por exemplo:
Ensinem a toda membresia a praticar oferta de justiça por meio de doações voluntárias, conforme orientação doutrinária do Apóstolo Paulo à todas a igreja gentílica, da qual também fazemos parte .

CADA UM CONTRIBUA SEGUNDO TIVER PROPOSTO NO CORAÇÃO,
 NÃO COM TRISTEZA OU POR NECESSIDADE; 
PORQUE DEUS AMA A QUEM DÁ COM ALEGRIA
II Coríntios  9. 7

Se pelo menos uma vida for liberta dessa heresia que aprisiona mentes e corações, provavelmente introduzido pelos ditos 
"pais da igreja"
à antiga noiva de Roma e que passou despercebidos
pelos chamados "reformadores", já terá valido a pena a
existência deste espaço.
Mas, caso existam Sete Mil que não se dobraram  a Baal
e que também não querem servir a Mamom
para adorar as riquezas, posso afirmar que a
glória da segunda casa será maior do que a primeira
 e que este blog permanecerá até o
Dia do Arrebatamento.

Paz seja com todos!
JC de Araújo Jorge

10 comentários:

  1. Caro J.C. de Araújo Jorge,

    A paz amado discípulo de Cristo!

    Reforço com absoluta certeza e resultado de análises profundas, o que enche o meu coração desta certeza sobre o que significou e o que significa o (imposto)dízimo.

    O engano tomou por completo o coração da maioria dos líderes, por conveniência ou por costume.

    Voltemos ao Evangelho com Simplicidade e poder no Espírito Santo, aplicando o correto e dito em sua matéria:

    CADA UM CONTRIBUA SEGUNDO TIVER PROPOSTO NO CORAÇÃO, NÃO COM TRISTEZA OU POR NECESSIDADE;
    PORQUE DEUS AMA A QUEM DÁ COM ALEGRIA
    II Coríntios 9. 7

    O Senhor seja contigo,

    O menor dos teus irmãos.

    ResponderExcluir
  2. praying blessings over your life.

    ResponderExcluir
  3. Estou muito impressionada com o conteúdo objetivo e ousado, poucas pessoas teriam coragem de expôr tal entendimento, porém, não poderia ser diferente por se tratar de um Discípulo de Cristo, falar a Verdade faz parte da sua essência, ensino e trajetória.
    Digo isto, porque visualizei algumas de suas páginas e pude constatar que tens compromisso com o Deus que é a própria Palavra - JESUS CRISTO - Senhor e Salvador nosso!

    Um beijo no seu coração, irmão amado.

    ResponderExcluir
  4. Tenha certeza que Deus conta conosco para conscientizar muita gente a respeito dessa falácia da qual fomos vítimas e que muitas ainda estão escravizadas.

    Hoje mesmo conversei com uma irmã que é professora de Escola Dominical que demonstrou-se surpresa pelo que aconteceu comigo na Assembleia de Deus e que não havia entendido o motivo pelo qual fui afastado de minhas funções. Passei a explicar-lhe, falando inclusive que o maior motivo de meu afastamento foi em não concordar mais com esse ensino obrigatório de um dízimo que não existe para o cristão.

    Como o tempo foi curto, fiquei de imprimir os estudos que postei no meu blog sobre esse assunto e também copiarei alguns do seu blog, se o irmão não se importar é claro, pois entendo que Deus nos tem levantado nestes últimos dias para este fim.

    Fazemos parte dos sete mil.

    Abraços e fique na Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  5. Deus continue lhe abençoando abundantemente! Abraços.
    Pr. Peter Feguetti - http://tempoderestauracaoparafamilia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá meu amado irmão em Cristo Jesus, é uma honra participar do seu edificante e abençoado espaço, pois aprecio muito a maneira com que expõe sua visão a respeito das distorções que ocorrem nesses últimos dias da Igreja na Terra. Digo isto, porque Jesus está voltando para buscar Seu povo!

    Quanto ao seu post:
    A cobrança do dízimo no cristianismo, é um jugo que tem causado sofrimento e angústia para muitos cristãos, e até tem impedido que muitas pessoas se integrem à Igreja.

    Muitos ao crerem no Evangelho, não se aliam às igrejas por causa do dízimo, isto é, por não sentirem espiritualidade na cobrança do mesmo; enquanto outros se desintegram das igrejas por não resistirem a pressão da carga nos seus ombros.
    Esse jugo tem feito com que muitos cristãos enfraqueçam na fé; pois quando alguém encontra impossibilidade de apurar os 10% do que ganha para poder contribuir em forma de dízimo, o tal é reputado pelos pregadores de dízimos, como ladrão e amaldiçoado.
    Porém, tais pregadores, com certeza vão prestar contas com Deus pelo prejuízo espiritual que têm causado à vida desses cristãos. É por isso, que também nesse sentido, o apóstolo Paulo expressamente declara:
    “Aquele que destruir o templo de Deus que sois vós, Deus o destruirá” (1 Co 3.17).
    Portanto, pregadores de dízimos, não destruam por causa do dinheiro, aqueles por quem Cristo morreu.

    Em Cristo,
    ***Lucy***

    ResponderExcluir
  7. Olá,bonito e edificante seu blog,gostei do seu pensamento acerca de dízimo,eu sempre tive essa posição.

    ResponderExcluir
  8. Caro discípulo de Cristo,

    Paz amado!

    Aproveito a repetição desta matéria para reafirmar:

    Concordo plenamente!

    O Senhor seja contigo,

    O menor dos teus irmãos.

    ResponderExcluir
  9. ola, irmão² muitos erram por não conhecerem as Escrituras, nem o poder de Deus.. Quando chegarmos a compreensão de que existe uma nova aliança em Cristo. Saberemos que Deus ama a quem da (contribui), com alegria, não por força de Lei. Pois a lei que esta no nosso coração é a lei do amor, muitos desses "Pastores", são cegos guiando Cegos.. Mas eu creio e entendo que temos que ensinar as verdades em Cristo. Pois só a verdade pode libertar o cativo mental e espiritual. Conhecer a verdade e fundamental, para o povo de Deus e infelizmente não e nas Sinagogas "Cristãs" que eles conhecerão a Verdade que liberta. Rogo a Deus que se multiplique o numero de bogs e Site como esse, que pregam a Palavra de Vida, sem medo das retalhações e perseguições de um sistema religioso farisaico que só tem compromisso com o próprio entre.
    Que falam de liberdade em Cristo, mas negam a sua eficácia.

    Pr. J. Araujo

    ResponderExcluir

As refutações serão devidamente respondidas!
Não serão publicados comentários com os seguintes conteúdos:
- Palavrões;
- Conteúdos Ofensivos;
- Comentários Anônimos;

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...