sábado, 29 de junho de 2013

TRIBUTAÇÃO NAS IGREJAS: Solução em tempo de moralidade e comoção social!

IGREJAS EVANGÉLICAS:
Imposto de Renda já!

Em minha opinião, para que a justiça e a verdade prevaleça, 
seria necessário que as igrejas pagassem imposto de renda e 
recebessem a devida restituição do mesmo,  pela comprovação das 
despesas em obras sociais / evangelísticas mediante
Notas Fiscais.
Mesmo que essas obras fossem realizadas somente por interesse, 
ou seja, por livre e espontânea pressão, o resultado
seria positivo, pois todos os que delas se 
beneficiassem, membros ou não,
seriam ricamente abençoados.

Como consequência da transparência e 
prestação de contas, mediante balanço financeiro apresentado, 
o povo de Deus não ficaria alheio ao que acontece nos bastidores 
eclesiásticos / monetário, principalmente em algumas 
megas igrejas neo-pentecostais.

 Assim sendo, 
os de fora (incrédulos) não se escandalizariam tanto; 
haja vista  que,
o desserviço prestado por alguns dirigentes denominacional 
é notório, 
pois os mesmos tem sido verdadeira 
pedra de tropeço 
não só para igreja (povo de Deus), 
mas principalmente para aqueles que ainda 
não foram alcançados pelo Evangelho de Cristo.


Por isso,
 nesse momento de comoção social contra todo o tipo de corrupção neste país e porque não dizer de imoralidade e falta de amor de quem deveria dar o exemplo de honestidade e transparência numa sociedade já tão sofrida e corrompida. Porquanto,  a igreja na condição de reserva moral desse mundo decadente representada pelo Corpo de Cristo, deveria propor que também entrasse na pauta das reivindicações das manifestações 
#vemprarua#
algo bastante diferenciado, que por certo iria contrariar a maioria do Clero evangélico, já que os manifestantes reclamam que  aumentos de impostos não se traduzem em melhorias sociais, a igreja como instituição deveria dar o bom testemunho
 de Luz do mundo e Sal da Terra;
 ou seja, agisse de tal forma que não acumulasse
 mais riquezas com dinheiro
 alheio (membresia), mas pelo contrário, 
que ela se redima diante de Deus e dos homens, propondo 
ao governo que se faça um projeto de lei em caráter de urgência para que seja tributado nas igrejas evangélicas o imposto de renda, com a devida restituição nos termos abaixo: 


a) Demonstração de histórico bancário a toda membresia da igreja não mais por norma estatutária, mas sim por força de lei.
b) Apresentação documental por parte dos dirigentes evangélicos  de todas as despesas  e receita referentes a manutenção do templo e/ou ampliação de novas congregações.
c) A restituição do referido imposto de renda as denominações, será diretamente proporcional as despesas das mesmas em obras sociais, e isto devidamente comprovado por Notas Fiscais.


Assim sendo, a igreja evangélica brasileira poderá diminuir o seu crescimento financeiro, contudo terá a maior oportunidade de cumprir sua principal missão aqui nesse mundo, que é:   


Evangelizar os pobres, 
Visitar os enfermos e encarcerados,
Hospedar os forasteiros,
 Vestir o nu,
 Dar de comer ao faminto e de beber ao sedento.

Conforme registro bíblico em Mateus 25. 31- 46


PORTANTO:
"DAI, POIS, A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR
E A DEUS O QUE É DE DEUS."
Mateus  22. 21b




Paz Seja Contigo!

12 comentários:

  1. Apoiado, Discípulo de Cristo.
    Só faltou falar nessas concessões graciosas de rádio e televisão para igrejas de toda ordem.
    abçs

    ResponderExcluir
  2. Retorno ao seu blog, já sou sua seguidora e aprecio muito a forma com que visiona triste realidade das igrejas gospel.

    Vivemos num país laico. Não vejo por qual motivo nós deveríamos dar privilégios às igrejas sem que estas precisem prestar contas. Se somos um país laico, deveríamos tratar as igrejas com a mesma ética que tratamos as demais instituições.

    Igrejas funcionam como empresas. Pastores e músicos muitas vezes recebem gordos salários para exercer seu “santo ofício”. Ao invés de viverem para Deus, muitos são os que vivem de Deus. A justificativa para a isenção de impostos para as igrejas seria o fato de que elas possuem um trabalho social que por si só contribuiria a sociedade, porém não vejo esse trabalho em lugar nenhum é raro as instituições que praticam obras sociais.

    Não irei discutir a importância social das igrejas, mas é muito estranho que essas igrejas não precisem prestar contas de seus gastos. Portanto, qualquer espertalhão pode abrir uma igreja e recolher as ofertas dos fiéis, sem praticar qualquer tipo de trabalho social. Esse sistema acaba sendo prejudicial até para as igrejas sérias, que veem malfeitores recorreram à religião para lucrar em cima dos privilégios têm.

    Até breve.
    Lú Nogfer

    ResponderExcluir
  3. Caro Discípulo J.C.de Araújo
    Concordo com tudo que você disse e indico:

    10 motivos para ser contra a isenção tributária para as igrejas sem prestação de contas.

    1- Muitas não oferecem qualquer tipo de trabalho social, usando toda a sua arrecadação para comprar espaço nas tvs e nos rádios, onde mais uma vez também pedem recursos a seus fiéis. A tv e o radio, concessões públicas, acabam servindo aos interesses privados em virtude de dinheiro isento de tributação.

    2- Pela pouca ou nenhuma prestação de contas, muitas instituições religiosas acabam servindo para a lavagem de dinheiro.

    3- Nosso Estado é laico e não há motivo para oferecer privilégios indevidos às instituições religiosas. Se as igrejas recebem isenção por causa do trabalho social que fazem, então é obrigação delas declarar ao Estado quanto e como estão gastando o dinheiro delas.

    4- Caridade é obrigação de qualquer religião descente. O Estado não pode premiar igrejas meramente por elas fazerem aquilo que já essencialmente obrigação delas. É como dar isenção fiscal a um prestador de serviço, apenas porque ele pratica determinado serviço benéfico a sociedade.

    5- Esse ambiente acaba sendo ruim para as religiões sérias que acabam sofrendo preconceito e perdendo fiéis para religiões de aproveitadores. É injusto dar privilégios iguais para religiões sérias e religiões que só servem para roubar o povo. Todos estamos cansados de ver igrejas que não só não ajudam seus fiéis, mas acabam prejudicando suas vidas para sempre.

    Aliás, por que uma igreja teria isenção de impostos para usar o dinheiro de seus membros para comprar mansões e aviões para suas lideranças? Por que igrejas teriam isenção de impostos para que seus líderes comprem bens(ex: Fazendas, apartamentos, etc) e os coloquem no nome da igreja só para não pagar impostos?

    6- Todo o templo de qualquer culto cumprem uma função social? Claro que não. E essas seitas que sacrificam e estupram crianças? Elas merecem algum tipo de função social? Fica claro que algumas religiões têm um papel social mais forte do que outras. Logo, como diferenciar uma religião descente de uma indecente se a nossa Constituição não tipifica isso. Assim fica fácil qualquer maluco inventar qualquer religião maluca e assim receber o dinheiro de seus fiéis.

    7- Igreja é uma entidade sem fins lucrativos? Se olharmos para os patrimônios dos líderes da principais igrejas do Brasil, veremos que eles lucram bastante mesmo sendo líderes de “entidades sem fim lucrativos”. “DAI DE GRAÇA O QUE DE GRAÇA RECEBESTES.” (Mateus 10.v8b)

    8- Só porque algo está na Constituição não significa que devemos ser compulsoriamente favoráveis a isso. Todos sabemos que nossa Constituição é lúdica para a nossa realidade e impõe ao Estado obrigações que fazem com que o contribuinte pague impostos elevadíssimos. Nem tudo que está na nossas leis é moral. Ex: segundo nossa lei, o filho de um assassino que contribui para previdência recebe auxílio-reclusão, mas o filho do assassinado fica desamparado.

    9-”Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.” Mt 22.21
    O texto bíblico é muito conhecido e no meio dos cristãos há quase uma unanimidade de que àqueles que querem seguir fielmente às Escrituras Sagradas devem “Dar a César o que é de César”, ou seja, pagar os seus tributos.Observa-se que esta ordenança bíblica deve ser aplicada a todas as pessoas, quer sejam pessoas físicas (naturais) ou jurídicas (empresas, entidades, igrejas, etc.). Logo, num país de maioria cristã, é inconcebível que igrejas não cumpram com aquilo que até a bíblia impõe.

    10- Medidas como essas acabam sendo ruins para as religiões. A igreja não deve precisar de favores do Estado para não ser influenciada por ele. Em muitos países, clérigos são pagos pelo governo e por causa disso acabam sendo influenciados pelo governo, servindo de massa de manobra para interesses alheios a fé.

    Um forte abraço,
    Carlos Roberto Sanches
    Bragança Paulista - SP

    ResponderExcluir
  4. Hope you are enjoying your weekend.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com sua visão.

    Uma vez que as denominações possuem CNPJ, indica que esta é uma organização e não um organismo como é a igreja de Cristo. E, como organização precisa pagar seus tributos.

    ResponderExcluir
  6. Caro Discípulo de Cristo,

    A paz amado!

    As suas matérias são de especial definição e de grande conhecimento lógico e espiritual. Aprecio bastante com todo o meu coração.

    Quanto ao pagamento de impostos, penso que, os valores doados como ofertas voluntárias e que seguem o princípio bíblico em sua sensatez devem ser abolidos deste imposto, por caracterizar-se de valores já descontados na fonte do doador.

    Mas, quantos aos valores definidos e informados com gritos histéricos pelos pregadores que relacionam o livro de Malaquias, em seus versículo preferido, ou seja o 3:10 é extremamente necessário que a cobrança seja efetuada por ser tratar de PURO COMÉRCIO.

    O COMÉRCIO que fazem através de correntes e produtos com o contágio de futuras bençaos, não passam de enganos e fraudes.

    Creio que se houver respeito não haverá a necessidade desta cobrança. Mas creio que será impossível reativar a seriedade de muitos líderes que já se uniram ao príncipe deste mundo e amam definitivamente a mamom. Triste!

    O Senhor irá cobrar através dos que serão como João Batista, nestes últimos dias do Final dos Tempos.

    O Senhor seja contigo e com a especial esposa,

    O menor de sempre.

    ResponderExcluir
  7. Passando para te desejar boa noite e estou com saudades de suas visitas no meus blogues.
    Bju

    ResponderExcluir
  8. A paz de Cristo amado,gostaria de indicar meu blog:willian bugiga e o site:www.convertidos.com.br.
    A paz de Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão Willian,

      Obrigado pelo convite para visitar seu blog no qual encontrei artigos relevantes, porém no mesmo não achei espaço para comentários.
      Quanto ao seu post sobre a CCB, concordo com quase sua totalidade; contudo gostaria de enfatizar que, na questão do Dízimo fazer parte do Evangelho da Graça baseado em Mateus 23.23, há um equívoco, pois Jesus encontrava-se no tempo da Lei (VT)exortando escribas e fariseus hipócritas, o que não é o nosso caso. Porquanto, a Nova Aliança que deu início a Igreja Neotestamentária, foi a partir da morte substituta do Senhor Jesus e posteriormente houve a inauguração da Igreja cristã no Dia de Pentecostes, sob os fundamentos de Cristo e edificada na doutrinada dos apóstolos. Sem contudo, haver nenhum tipo de obrigatoriedade do Dízimo Levítico, nem pelo Ap. Pedro e muito menos pelo Ap. Paulo, discipulador dos gentios (nosso) e principal sistematizador do Novo Testamento.

      P.S. Convido o irmão a visualizar no meu post - "O Dízimo na Graça: "Equívoco que insiste em prevalecer!", onde relato um pouco de como o Espírito da Palavra prevaleceu sobre Tradição, abrindo o meu entendimento a respeito de um tema tão polêmico, como é o caso do "Dízimo", principalmente para as lideranças evangélicas, pois envolve dinheiro que e um assunto altamente espiritual.
      A parte dou prosseguimento a um Estudo Completo sobre o assunto em questão, o qual tirará todas as dúvidas de todo aquele que tem fome e sede de Justiça, bem como das Verdades contidas nas Boas Novas do Evangelho de Cristo.

      Paz Seja Contigo,
      J.C.de Araújo Jorge

      Excluir
  9. Estimado irmão, toda vez que visito sua página, fico surpreendida com seus artigos ousados e imprescindíveis a Igreja (Corpo de Cristo) tão mal assistida nesses últimos dias.

    Eu sou a favor de que a Igreja pague imposto fiscal. Não precisamos de muito dinheiro. Só precisamos do necessário para anunciar a Palavra de Deus.
    Lembro que Jesus não precisava pagar o imposto porque ele era um cidadão daquela terra, mas para não causar escândalo, Jesus pagou o imposto nos ensinando a calar a boca dessas pessoas inúteis que sempre desejam trazer má fama a obra de Deus...

    De fato a Igreja de Jesus precisa ser imaculada ...
    Se muitas igrejas deixassem de lado essa pedição de dinheiro aos fiéis e permitissem que estes doassem o que sai apenas do coração deles (oferta voluntária) teríamos uma maneira de envergonhar os mercenários.

    Fique na Paz!
    Carol

    ResponderExcluir
  10. com certeza temos que fazer a diferença
    sempre somos evangélicos

    linda noite bjs

    http://diariodevocional2012.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. A Paz Amado,

    De fato se as instituições evangélicas fossem tributadas com direito a devolução integral do imposto de renda mediante obra social, os pastores teriam a grande oportunidade de ajudar ao próximo.

    Em Cristo,
    ***Lucy***

    ResponderExcluir

As refutações serão devidamente respondidas!
Não serão publicados comentários com os seguintes conteúdos:
- Palavrões;
- Conteúdos Ofensivos;
- Comentários Anônimos;

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...